Proposta 3: Análise crítica sobre uma composição gráfica de uma infografia

infografia11

 

 

No seguimento da terceira proposta de trabalho, foi-nos proposta a escolha de uma infografia para criticar a sua composição gráfica. Para escolher um exemplo não me restringi a procurar apenas certos estilos de infografias, porque numa infografia podemos ” utilizar a combinação de fotografia, desenho e texto. Um exemplo de infográfico do tipo mais simples poderia ser uma linha de tempo onde, ao selecionar determinados períodos, apareceriam imagem e textos explicativos” (CAIRO, 2003). De todas as que pesquisei, achei de especial interesse a que utilizava fotografias dos alimentos mais consumidos em 2010, pois ao contrário do que estou habituada a ver nos jornais e revistas, esta não usava gráficos, nem tabelas, apenas fotografias e a designação dos alimentos.

Achei este trabalho infográfico bastante divertido e fora do comum, porque além de usar as fotografias dos alimentos, apresenta-os de uma forma original, com gradação de cores, começando por uma cor fria (verde), à neutra (branco) e acabando numa cor quente (vermelho). É ainda de reparar a forma como os alimentos estão cortados ou apresentados permitindo “vê-los por dentro” ou associa-los à forma como os consumimos diariamente. A quantidade/tamanho dos alimentos também não é ao acaso, os alimentos estão apresentados de forma a podermos distinguir os mais consumidos (maiores/mais quantidade) dos menos consumidos (menores/menos quantidade), como é o caso dos vegetais e frutas, que são os mais consumidos e que, por exemplo,  estão representados através da couve-flor, do pimento, do morango e da cenoura.

A informação não poderia ser de mais simples compreensão, dado que todos sabem reconhecer os alimentos presentes, e através da legenda conseguem compreender  o que estão a visualizar, ou seja,  os alimentos mais consumidos em 2010.

O contraste entre as cores dos alimentos e a cor branca do fundo da infografia tornam a imagem apelativa e não confusa. A simplicidade e eficácia desta infografia é ainda comprovada através do tipo de letra utilizada, uma letra não serifada de caixa alta, com um bom espaçamento entre as letras.

 

Proposta 3: Memória Descritiva

Esta terceira proposta tem como objetivo fazer entender que “A infografia é um novo tipo de discurso que, quando bem construído, mescla texto e ilustração numa unidade de espaço autossuficiente na sua capacidade de informar” (COLLE, 1998). Sendo que esta “amplia o potencial de compreensão pelos leitores” (RIBAS, 2004), que nos nossos dias são cativados mais pela imagem do que pelo texto. Neste sentido, foi-nos pedido para realizar uma infografia com base numa notícia ao nosso critério e uma pesquisa de exemplos.

Inicialmente tive de proceder à pesquisa de infografias e de opiniões de pessoas importantes nessa área (como o Alberto Cairo), para me conseguir inspirar e para escolher um tema, tendo sempre em mente que a infografia que iria realizar tinha de possuir uma “união comunicativa entre um desenho ou uma pintura enfatizados por um texto alusivo” (DE PABLOS, 1999) e que no resultado final as informações apresentadas aos leitores tinham de ser “apreendidas rápida e globalmente”(CERA, 2009).  O tema que escolhi, foi uma notícia publicada no blogue “Fugas” pertencente ao “Público”, na categoria  de “Restaurantes e Bares”, que fala sobre o “Porto Restaurant Week”. Escolhi um tema relacionado com a gastronomia do Porto, primeiro porque na minha pesquisa de Infografias detive principal interesse pelos trabalhos que abordavam a comida e a sua composição, depois porque sou do Porto e penso que devemos dar valor ao que é “nosso”, e em terceiro, porque achei interessante pesquisar quais os alimentos mais típicos e utilizados nesta região. Alimentos esses que eram abundantes e permitiam-me realizar uma infografia diversificada.

Além da pesquisa relativa a infografias alimentares, pesquisei sites receitas típicas do Porto e optei pelas que eram associadas mais vezes como pratos típicos.  Só quando já estava testes para  a minha infografia relativa à gastronomia portuense, é que li a noticia do “Porto Restaurant  Week” e achei que era bastante interessante estabelecer uma ligação do trabalho já realizado com essa notícia.

Na primeira imagem referente aos ingredientes, optei por utilizar azulejos portugueses, porque achei que estavam relacionados com as decorações do restaurantes típicos do Porto e com a nossa identidade, utilizei as cores azul e vermelho porque são relacionadas com os cores dos azulejos, são usadas nas toalhas de mesa portuguesas (bordados), porque são cores integrantes da bandeira portuguesa e porque o azul está ligado à cor do Futebol Clube do Porto.  Apresentei uma listagem dos ingredientes necessários para a realização de categorias diferentes: -para a categoria de sandes, optei pela francesinha; -na categoria de pão, preferi a broa de Avintes; -na categoria de sopa, escolhi o caldo verde; -na categoria de prato principal, achei oportuno as tripas à moda do Porto; -na categoria de sobremesa, decidi-me pelo pão-de-ló.  ordem em que apresento os pratos típicos do Porto, foi escolhida conforme a quantidade de alimentos utilizados na sua coinfecção, ou seja comecei na receita que leva menos ingredientes (o pão-de-ló) e acabei na receita com mais ingredientes (a francesinha).  Para as formas obterem mais destaque, optei pela utilização de retângulos que delimitassem os ingredientes e os azulejos, optei pela forma rectângular porque a identifico com os quadros que estão no exterior do restaurantes, onde está enunciada a ementa. O contorno da forma rectângular não é uniforme, porque a associei à escrita do giz nos quadros das ementas.

Quanto à segunda imagem, que na está na continuidade da primeira, refere-se aos restaurantes do Porto, que além de servirem a comida típica portuense, possuem pratos requintados, que por uns dias vão estar a preços acessíveis a “todos os comuns”, no “Porto Restaurant Week”, por apenas 20 euros. Utilizei as mesmas cores (azul e vermelho) pelas razões anteriores, mas desta vez acrescentei a amarelo, porque é a cor predominante quando “se olha” para uma francesinha. Utilizei também o desenho dos azulejos portugueses (mais à esquerda), o desenho de uma francesinha visto estar relacionada com restaurantes e com o Porto e utilizei também o mapa de Portugal a vermelho, onde está destacado ,a azul, o Porto, para assim se conseguir ler (“À MODA DO PORTO GOURMET”). Nesta imagem ainda está presente o nome do evento, o preço, os dias em que decorre e os restaurantes aderentes. Esta imagem juntamente com a primeira, permite criar uma infografia comum, em que são apresentados os pratos típicos do Porto, os seus ingredientes e onde os pode consumir de uma forma “mais chique”.

O tipo de letra que utilizei foi a Castellar, porque é serifada e elaborada, remetendo-nos ao passado e às nossas origens e também é apelativa como título por ser de caixa alta. Utilizei ainda o tipo de letra Century, que é serifada e de caia baixa por também nos remeter ao passado e aos restaurantes típicos.  Por fim,  utilizei o tipo de letra Myriad Pro, por ser simples, não serifada e de caixa baixa, o que permite a distinção entre o conteúdo e o título e uma não “confusão” de informação e também oferece uma certa sofisticação “clean” associada ao gourmet.

Concluo que a realização desta proposta foi muito útil, porque no meu futuro profissional , porque, “o jornalista precisa  de conhecer as tecnologias e softwares que compõem o processo noticioso digital, não no nível de especialista, mas sim no necessário para saber quais as possibilidade e limitações de cada tecnologia” (ALBERTO CAIRO)

Notícia

Capture

Chefes propõem menus a 20€ na Porto Restaurant Week

Por Fugas

23.05.2013

A 8.ª Restaurant Week do Grande Porto, que abrange mais de 30 restaurantes, decorre de 23 de Maio a 2 de Junho.

Com uma nova dose da Lisboa Restaurant Week ainda disponível até domingo, 26 de Maio, é servida a 8.ª edição portuense desta iniciativa gastronómica. Os ingredientes são os habituais: menus de autor em casas de renome por 20€ (com 1€ a reverter para causas solidárias).

Entre os 32 restaurantes aderentes, segundo dados da organização, encontram-se casas como Barão de Fladgate, Astória do Palácio das Cardosas, Bull & Bear, Casa da Música, Clérigos Brasserie (por Pedro Lemos), o Egoísta do Casino da Póvoa, Foz Velha, Góshò, Largo do Paço da Casa da Calçada em Amarante, O Comercial do Palácio da Bolsa, o recente Opo Club, o Salsa & Loureiro do Porto Palácio ou os espaços Panorâmico Portucale e Porto Novo do Sheraton, entre outros.

De 23 de Maio a 2 de Junho, em cada restaurante (para o qual se aconselha reserva antecipada – agora feita exclusivamente através do guia BestTables, viasite oficial da Restaurant Week, ou telefone 213616128 – das 10h30 às 22h30), há um “menu exclusivo”, “utilizando alguns dos melhores produtos nacionais”. O preço de 20€ inclui entrada, prato principal, sobremesa – e “mais alguns acrescentos opcionais conforme as locais” – mas sem bebidas.

Por cada menu vendido, 1€ reverte a favor de duas instituições, desta feita oMovimento Mulheres de Vermelho e o Centro de Solidariedade Maranathá.

Como ocorre desde há algumas edições, é também feita a “promoção da dieta mediterrânica”, incluída na defesa de “estilos de vida saudáveis”, através do “incentivo junto dos chefes” para que se inspirem na tradição mediterrânica.

A grande novidade das actuais Restaurant Week (tanto no Porto como em Lisboa) é a introdução de “um menu de bebidas”: por mais 5€, os comensais podem optar entre duas bebidas (das cinco disponíveis: gin, vinho branco ou tinto, licor ou aguardente). Estão incluídas apenas marcas da Active Brands, patrocinadora do menu, que assegura 0,25€ por cada menu vendido para instituições solidárias apoiadas nesta edição.

8.ª Porto Restaurant Week – Restaurantes aderentes

Arquivo
Astória (hotel Intercontinental – Palácio das Cardosas)
Barão de Fladgate
Book (Hotel Infante Sagres)
Bull & Bear
Cais D 4
Casa Agricola
Casa Branca
Casa da Música
Cheddar – tea & fondue
Clérigos Brasserie (Pedro Lemos)
Costume Bistrô
DomPorto Restaurante e Bar
Egoista (Casino da Póvoa de Varzim)
Food & Friends
Foz Velha
Góshò
Largo do Paço – Casa da Calçada
Lider
Mendi
O Comercial
Oli Bar Restaurante
Opo Club Lounge Restaurante
Panorâmico Portucale
Porto Novo (Sheraton Hotel)
Praia da Luz
Romando
Salsa & Loureiro (Porto Palácio)
Sumo Cais
The Lingerie Restaurant
Toscano – Porto
Vinhas d’Alho