Palavras da notícia a usar na Tipografia

Palácio

Nacional

Ajuda

portas

obras

icónicas

A Noiva

Coração Independente

Marilyn

peças

Joana

Vasconcelos

internacionalmente

expostas

verão

parceria

inédita

empresa

privada

Everything is new

Estado

Direcção Geral do património cultural

portugueses

artistas

nacionais

individual

artista

plástica

Miguel Amado

aposentos

reais

nunca

antes

expostas

Lilicoptère

Perruque

War

Games

 

 

 

 

 

 

Advertisements

Proposta 1: Enumeração dos elementos básicos e técnicas de comunicação visual

jlj

 

Ainda na primeira proposta, foi pedida a escolha de uma das fotos da recolha fotográfica e a elaboração de uma espécie de “memória fotográfica”, onde fossem enumerados os elementos básicos contidos na imagem e as respetivas técnicas de comunicação visual. Entre as fotos que recolhi, optei pela escolha de uma paisagem marítima, onde podemos encontrar elementos da natureza, como o mar, um rochedo  e o céu, sendo que, todos estes elementos foram representados na minha composição gráfica. Esta fotografia reúne elementos básicos de comunicação visual como o ponto, a linha, a forma, a direção, o tom, a cor, a textura, a dimensão, a escala e o movimento.

Num olhar atento, destaca-se primeiramente a cor, pois toda a fotografia possui  cores neutras que remetem a um certo misticismo, como o branco, o cinzento e o preto. Através da cor são criados certos focos de atenção, como no céu, pois existe uma diferença   entre as tonalidades do rochedo (escuras) e as do céu e do mar (claras), sendo que as nuvens e o areal, com uma cor cinzenta também contrastam com a luminosidade do branco. Estas cores neutras transmitem uma sensação de calma e de estabilidade com a Natureza.

A textura é outro aspeto a reparar, visto que as nuvens, apesar de não as podermos tocar, possuem uma textura “macia” e ondulada, fazendo lembrar o algodão. Já o rochedo tem uma textura rugosa e desenhada, podendo destacar-se também as suas linhas, outro elemento básico de comunicação. A areia, por si só já nos remete à textura granulada, onde facilmente identificamos o ponto como outro elemento, associado aos grãos de areia.

Quando às formas encontradas na imagem podemos destacar o círculo, nas ondas do mar que rebentam no areal, numa visão mais imaginativa também podemos encontrar uma secessão de círculos no céu, que formam as nuvens.

Podemos encontrar o elemento básico direção no rochedo, por exemplo, pois as linhas que o constituem estão orientadas segundo um certo esquema, podendo notar-se os seus estratos, formados em épocas diferentes e assim sendo, possuindo direções diferentes.

A dimensão dos elementos e a sua escala podem ser facilmente observados, sendo que todos os elementos presentes nesta imagem são de grande porte, como o rochedo, que se torna pequeno comparado com o imenso areal, e ainda mais pequeno comparado com o infindável mar. Mas se compararmos um grão de areia com o rochedo, aí já vamos encontrar uma enorme diferença de escala, pois o rochedo é formado por milhões de grãos todos aglomerados. Já a dimensão nesta imagem pode ser observada através da perspetival criada pelo claro-escuro e pela “dramática enfatização de luz e sombra”(DONDIS, 1991), observada principalmente no céu. Por fim, o movimento nesta fotografia é criado principalmente pelas ondas.

Apesar da sua simplicidade de cores e de elementos, esta fotografia é esteticamente harmoniosa e possui um pouco de todos os elementos básicos de comunicação visual.

 

 

 

Proposta 1: Memória descritiva

Nesta primeira proposta, tive como objetivo principal utilizar os elementos básicos de comunicação visual numa composição gráfica. Para tal tive de reconhecer cada elemento: “Os elementos visuais constituem a substância básica daquilo que vemos, e o seu número é reduzido: o ponto, a linha, a forma, a direção, o tom, a cor, a textura, a dimensão, a escala e o movimento.”(DONDIS, 1991).   Antes de colocar em prática o meu objetivo, tive de entender  que “para analisar e compreender a estrutura total de uma linguagem visual, é conveniente concentrar-se nos elementos visuais individuais, um por um, para o conhecimento mais aprofundado das suas qualidades especificas”(DONDIS, 1991). Assim sendo, analisei cada elemento visual e pesquisei a sua aplicação na arte, recolhendo imagens. A realização da proposta foi desafiante e original, pois foi-nos sugerida a escolha de uma música e sucessiva representação visual através dos elementos básicos já referidos.  É necessária uma dose de sensibilidade e imaginação para conseguir exprimir ,através de uma imagem, algo que não é físico, tal como a melodia e a sensação que a música nos provoca. A letra da música também foi algo que me inspirou, pois esta conta uma história e contém palavras-chave que podem ser objetos representados na composição gráfica.

A música escolhida foi a “Black and Gold” do Sam Sparro, pois além de gostar da melodia, também encontrei uma história na letra que facilmente se representou na minha mente e que podia ser transcrita para a composição gráfica. Através da letra da música, “cause if you’re not really here
then i don’t want to be either”, imaginei alguém que sente que mais nada importa se a pessoa de quem gosta, não estiver com ela, e que tudo que a rodeia, como a natureza e a cidade, não fazem sentido. É de reparar também nesta parte da letra: ” and the stars fell out of the sky, and my tears rolled into the ocean
now i’m looking for a reason why”, onde encontrei elementos que se poderiam encaixar também na minha composição, como estrelas a cair do céu e lágrimas derramadas que formariam o mar, visto que a batida da música também me faz lembrar as ondas.

Antes de proceder à total representação do que idealizei, decidi efetuar o trabalho por etapas. Inicialmente foquei-me no ponto, começando por representar um precipício através de pontos grandes. Rumei para o elemento seguinte, a linha, que pode ser usada de variadas formas, longa ou curta, estreita ou larga, colorida ou não, aberta ou fechada, curva, reta, quebrada ou mista. A linha, maioritariamente utilizada na minha composição, «(…) tem, por sua natureza própria, uma enorme energia (…)» (DONDIS, 1991). Utilizei-a, inspirando-me em algumas imagens, para representar a forma humana, que para conseguir dar a ideia de leveza e sensibilidade necessitou de ser uma linha curva, tal como as lágrimas. Já as linhas utilizadas para representar a cidade, foram retas para dar a ideia de industrialização e falta de sentimento. Também utilizei linhas para representar raios solares em volta da forma humana, que é a central. A linha descreve uma forma, “na linguagem das artes visuais, a linha articula a complexidade da forma. Existem três formas básicas: o quadrado, o círculo e o triângulo equilátero. Cada uma das formas básicas tem suas características especificas, e a cada uma se atribui uma grande quantidade de significados”(DONDIS, 1991).   Na minha composição utilizei maioritariamente o círculo, que é associado a “infinitude, calidez, proteção”(DONDIS, 1991).   Através de um conjunto de círculos representei o mar. Também podemos associar à forma triangular, as estrelas que estão representadas dentro dos raios solares, todos elementos associados ao céu.

É conjuntamente de referir que a direção é de extrema importância, pois vai orientar o local que queremos focar, neste caso orientei a direção das linhas para a parte central, que é a forma humana.  O tom é identicamente importante, pois “as variações de luz ou de tom são os meios pelos quais distinguimos opticamente a complexidade da informação visual do ambiente”(DONDIS, 1991).   Nas estrelas representadas existiu uma gradação de cor, conforme se iam aproximando da figura humana.

A cor é o elemento talvez mais apelativo numa composição gráfica, cada cor “representa qualidades fundamentais” (DONDIS, 1991).   Primeiramente, tinha o objetivo literal de usar apenas preto e dourado para a minha composição devido ao título da música, mas senti a necessidade de utilizar outras cores, pois não senti que a composição estivesse completa, sendo assim, no Adobe Illustrator utilizei a paleta de cores associada à natureza, mais especificamente à praia, pois na composição possuo elementos na natureza, como o mar., «A cor está impregnada de informação (…) e é uma das mais penetrantes experiências visuais (…)» (DONIS, 1991), por isso nesta proposta de trabalho utilizei cores claras e suaves para se fundirem com a leveza da forma humana e também utilizei o preto, cor que é neutra e  representa a  força e  elegância, algo também quis associar à forma humana e à história que imaginei.

Relativamente à escala, só podemos efetuar observações se nos remetermos à cidade, mais especificamente aos retângulos que utilizei para representar prédios, ou então ao tamanho das estrelas e das lágrimas, que vão mudando de tamanho conforme a aproximação do mar ou da forma humana.

O movimento também foi importante nesta composição gráfica, pois quis dar a ideia que a forma humana estava a saltar do precipício com leveza, sendo que o salto foi  quase como que uma libertação da mágoa que estava sentir, a mágoa de não ter quem queria a seu lado.

Concluo que com este trabalho, consegui dar “asas à minha imaginação” e que existe mais complexidade nos elementos básicos de comunicação do que um olhar distante consegue ver, existe muito mais para além do que está “no papel”, existem muitos significados e simbologias, quer nas formas como na cor.  Também aprendi que é necessário um processo de experimentação e não uma criação estática, pois as ideias vão mudando ao longo do tempo e nem sempre conseguimos representar à primeira o que temos idealizado.